Werewolves

Results 26 thru 50
Page 2 of 6       < 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >

APL 94
Historia do Lobisomem

BARRETO, Kalidás, Monografia do Concelho de Castanheira de Pera, Castanheira de Pera, Câmara Municipal de C. Pera, 2001 , 254
Castanheira De Pêra (CASTANHEIRA DE PÊRA) LEIRIA

Certa rapariga tinha o hábito de fiar, à noite, sempre na soleira da porta, como forma de poupar o azeite da candeia. O seu namorado não gostava, dizia-lhe sempre ...

[Some Belief] [Memory transcription]

APL 639
Historia do Lobisomem

BARRETO, Kalidás, Monografia do Concelho de Castanheira de Pera, Castanheira de Pera, Câmara Municipal de C. Pera, 2001 , 254
Castanheira De Pêra (CASTANHEIRA DE PÊRA) LEIRIA
Types: 4005,

Certa rapariga tinha o hábito de fiar, à noite, sempre na soleira da porta, como forma de poupar o azeite da candeia. O seu namorado não gostava, dizia-lhe sempre ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1724
História do lobisomem

AA. VV., -, Literatura da tradição oral do concelho de Vila Real, s/l, UTAD / Centro de Estudos de Letras (Projecto: Estudos de Produção Literária Transmontano-duriense),
Mateus (VILA REAL) VILA REAL

Habia um senhor que era da Freguesia de Mouçós, que estaba apoderado lá do lobisomem, chamabam-no lobisomem.
Então, às quintas-feiras, tinha que correr sete encruzilhadas, sete cemitérios ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1177
Histórias II

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 24-25
- (OLEIROS) CASTELO BRANCO
Types: 4005,

Uma vez uma mulher casou-se com um homem. Depois o marido dela quando era à noite levantava-se todos os dias. A mulher disse onde é que ele andava sempre todos os dias ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 978
Homem de dia, animal à noite

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , CF10
Figueiró (Santiago) (AMARANTE) PORTO

As pessoas antigas dizem que todas as crianças que nasçam à terça-feira, a primeira peça interior que se lhe vista deve ser queimada, para que um dia ...

[Unsure / Uncommitted] [Memory transcription]

APL 2652
Lenda do lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Vila Nova De Cacela (VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO) FARO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2608
Lenda do lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Paderne (ALBUFEIRA) FARO
Types: 4005,
None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2308
Lenda do lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Vila Nova De Cacela (VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO) FARO None [Some Belief] [Oral transcription]

APL 3101
Lenda do lobisomem

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , 201
Pombal (CARRAZEDA DE ANSIÃES) BRAGANÇA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2150
Lenda do Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Olhão (OLHÃO) FARO

Uma mulher que teve sete filhos rapazes. Havia um que era labisome, era um burro. Às sextas e ás terças ele saía de casa; nunca saía de ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2497
Lenda dos Lambuzões

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (HORTA) ILHA DO FAIAL (AÇORES)
Types: 4005,
None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1889
[Loba-Mulher]

VASCONCELLOS, J. Leite de, Contos Populares e Lendas I, Coimbra, por ordem da universidade, 1963 , 452-454
- (GUARDA) GUARDA

Era uma vez um homem ainda novo, que trabalhava numa quinta. Havia dois ou três homens no mesmo sítio, mas nenhuma mulher, a não ser a mulher ...

[Unsure / Uncommitted] [Ludic written text]

APL 424
Lobishomens

S/A, ., Lendas e Outras Histórias, Estremoz, Escola Porfissional da Região Alentejo / Núcleo de Dinamização Cultural de Estremoz, 1995 , 31-33
- (ESTREMOZ) ÉVORA

No tempo dos avós dos meus avós, segundo eles, andavam á noite, a horas mortas, fantasmas por sítios mal iluminados, sendo muito arriscado andar por eles a partir ...

[Unsure / Uncommitted] [Scientific written text]

APL 2529
Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Portimão (PORTIMÃO) FARO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2472
Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Quarteira (LOULÉ) FARO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2433
Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Almodôvar (ALMODÔVAR) BEJA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2429
Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Santo Estêvão (TAVIRA) FARO
Types: 4005,
None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2525
Lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Castro Marim (CASTRO MARIM) FARO None [Convinced Belief] [Oral transcription]

APL 852
Lobisomem da Junqueira

CAMPELO, Álvaro, Lendas do Vale do Minho, Valenca, Associação de Municípios do Vale do Minho, 2002 , 41-43
Seixas (CAMINHA) VIANA DO CASTELO

O tio António saíu naquele dia chuvoso para a junqueira, para além da ponte sobre o Coura, mesmo junto à Sr.a da Ajuda. A necessidade de ro ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1173
Lobisomens

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 22-23
- (PAMPILHOSA DA SERRA) COIMBRA

Diziam que antigamente existiam lobisomens e que todas as noites de lua cheia corriam sete freguesias. Também passava na minha terra (Vale Grande). Uma noite vinha lá por um ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1951
Lobisomens

SILVA, Margarida Moreira da, É por aí voz constante... e o povo sabe quando diz..., Loures, Museu Municipal de Loures, 2007 , 63-64
- (LOURES) LISBOA

(...) não te lembras do Ti coiso, que trabalhava no Carrascal, como é que ele se chamava? Que é das Alvogas. Ele era lobisome.
 (...) Não me lembra o nome do home ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 337
Lobisomens (2)

MORGADO, Isabel, Viagens ao Imaginário, Torres Vedras, Centro de Formação das Escolas de Torres Vedras, 1999 , 70-71
- (TORRES VEDRAS) LISBOA

Havia um lobisomem que era criado do casal de Vale Verde. Chegada a meia-noite, eles estavam a debulhar milho e ele tinha que sair do trabalho e abalar para Peniche ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 338
Lobisomens (3)

MORGADO, Isabel, Viagens ao Imaginário, Torres Vedras, Centro de Formação das Escolas de Torres Vedras, 1999 , 71
- (TORRES VEDRAS) LISBOA

No tempo da minha bisavó, um filho dava-se muito mal com a mulher e dava-lhe tareias. Um dia a minha bisavó resolveu ir a casa deles, que era perto da ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 470
Lobisomens de alvor

TENGARRINHA, Margarida, Da Memória do Povo, Lisbon, Colibri, 1999 , 41-42
Alvor (PORTIMÃO) FARO
Types: 4005,

No verão, aqui em Alvor, as mulheres vinham à noite p’rá rua fazer emprêta e atão uma vez (no outro dia era dia de mercado), enquanto elas ...

[Some Belief] [Oral transcription]

APL 2302
O amigo que era lobisomem

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Portel (PORTEL) ÉVORA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]


Results 26 thru 50
Page 2 of 6       < 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 >