Fantasmas

Results 1 thru 25
Page 1 of 15       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 >

APL 1930
[1º de Novembro]

AZEVEDO, Ana, A Literatura Oral na Comunidade Emigrante Portuguesa em Montreal, Faro, Universidade do Algarve, 2002 , # 136
São Jorge Da Beira (COVILHÃ) CASTELO BRANCO
Motivos: E491., E242., E281.1.,

Há longos anos atrás, aliás, ainda hoje se põe a mesa no dia 1 de Novembro, no Dia de Todos os Santos, no dia dos finados. E ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 948
A alma da avó

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , AP9
Oliveira Do Hospital (OLIVEIRA DO HOSPITAL) COIMBRA

Numa noite de Verão, a Olga chegou a casa pelas 4:30 da manhã, depois de ter passado parte da noite na discoteca com umas pessoas amigas.
Ao entrar ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2754
A alma da jovem pastora

PARAFITA, Alexandre, O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos, Lisboa, Plátano Editora, 2000 , 65
Santa Cruz (VINHAIS) BRAGANÇA

Os antigos acreditavam que os fogos-fátuos que, em certas noites, apareciam nos cemitérios eram as almas dos defuntos que saíam a penar. E conta-se no concelho de ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2755
A alma do abade

PARAFITA, Alexandre, O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos, Lisboa, Plátano Editora, 2000 , 68
Agrochão (VINHAIS) BRAGANÇA

Houve noutros tempos na aldeia de Agrochão um padre que andava sempre a dizer “ai vida, vida!”, lamentando-se por tudo e por nada. Chamavam-lhe, por isso, o “Abade vida-vida ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 169
A alma do lagareiro

AA. VV., -, Lendas e Tradições, Évora, EBM's de Guadalupe, S. Sebastião da Giesteira e Valverde, 1999 , 41-42
Nossa Senhora De Guadalupe (ÉVORA) ÉVORA

Quando era ainda pequeno, do tamanho destes miúdos, estava num monte, ali para os lados da Santa Sofia; para lá de Santa Sofia, que se chamava o Zambujal. E ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1649
[A alma do pai]

SARMENTO, Francisco Martins, Antígua, Tradições e Contos Populares, Guimarães, Sociedade Martins Sarmento, 1998 , 147
- (GUIMARÃES) BRAGA
Motivos: E734.1.,

Requere-se uma alma para um sítio, por onde o requerente não passe. É um dos modos de se livrar dela, O pai da tecedeira perseguia-a, depois de morto; ela ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição de Memória]

APL 952
A alma do pai

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , AP15
- (CHAVES) VILA REAL

Havia uma senhora que lhe morreu o pai e ela não rezava pela alma como era costume. Quando ia à missa e comungava, começava a ver um mar cheio ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1742
A alma penada

AA. VV., -, Literatura da tradição oral do concelho de Vila Real, s/l, UTAD / Centro de Estudos de Letras (Projecto: Estudos de Produção Literária Transmontano-duriense),
Nogueira (VILA REAL) VILA REAL


 Eu e a minha mãe andabamos no monte e pousamos um molho na parede e depois a minha mãe queria erguê-lo e não podia! A minha ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 478
A alma penada de odelouca

TENGARRINHA, Margarida, Da Memória do Povo, Lisboa, Colibri, 1999 , 67-68
Mexilhoeira Grande (PORTIMÃO) FARO

Havia uma senhora em Odelouca que tinha nove irmãos. Quando os pais morreram todos foram herdeiros. Ela herdou como um qualquer dos irmãos e dividiram as terras. Mas ...

[Some Belief] [Transcrição Oral]

APL 1733
[A Alma Penada do Lameiro]

AA. VV., -, Literatura da tradição oral do concelho de Vila Real, s/l, UTAD / Centro de Estudos de Letras (Projecto: Estudos de Produção Literária Transmontano-duriense),
Lamares (VILA REAL) VILA REAL

Havia um lameiro muito comprido, onde iam atalhadorar a água.
E haviam uns rapazes que eram os donos do lameiro e iam lá intalhadorá-la. E um encontrou lá uma ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 780
A alma penada no telhado

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , 192
Tabuaço (TABUAÇO) VISEU

Havia aí numa casa duas irmãs. Uma casou muito bem, com um velhote que tinha bôs bocados. A outra não. Ficou uma pobre. Conhecíamo-la como a ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 396
A Aposta

CUNHA, Jorge da, Criações do Génio Popular, Arruda dos Vinhos, Associação para a Recuperação do Património de Arruda, 1997 , 51
Arruda Dos Vinhos (ARRUDA DOS VINHOS) LISBOA

Um homem apostou com outro que ele não era capaz de passar no cemitério à meia-noite.
 Nesse mesmo dia, à hora marcada, lá estava o segundo homem à porta do adro ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2554
A Avó Velha Regressa

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (FARO) FARO

Foi uma comadre, uma amiga minha, quase da mesma idade, que tinha uma filha para ir para a escola. E então ela ia trabalhar e a miúda ia ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2553
[A Bailarina do Teatro Lethes]

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Faro (Sé) (FARO) FARO

É uma bailarina que enforcou-se lá há anos e que aparece. Ela apareceu a alguém, a um colega e a uma senhora que trabalhavam lá. Pelo menos eles saíram ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 455
A boa e a má hora

BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, Monsanto, Etnografia e Linguagem, Lisboa, Editorial Presença, 1984 [1958] , 155
Monsanto (IDANHA-A-NOVA) CASTELO BRANCO

Dum’òcasieo, mê pedrinho qu’era mê sogro, stav’à namorar nema casa. Foi-s’imbora e cando tchegou ò aidro, vi ma sombra branca muito alta, qu’er’á Boa Hora. Sobr’ela ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2181
[A Cabrinha]

OLIVEIRA, Francisco Xavier d'Ataíde, Monografia de Vila Real de Santo António, Faro, Algarve em Foco, s/d [1908] , 213-214
Monte Gordo (VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO) FARO

— Sabe se por aqui ha alguma lenda ou historia antiga que diga respeito ao Monte Gordo? Sabe se por estes sitios teem apparecido alguma moura encantada ou alguma penada?
 — Que ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição de Memória]

APL 354
A casa roubada

PINHO, Isabel, Contos e Lendas da Serra Nostra, S. Pedro do Sul, Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, 1998 , 14-15
- (SÃO PEDRO DO SUL) VISEU

Há muitos anos atrás, na minha povoação, havia um homem que tinha mais dois irmãos. Os pais deles, ao morrerem, deixaram escrito que a casa onde eles ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1192
A caveira

MARTINS, Pe. Firmino, Folklore do Concelho de Vinhais. Vol. 1, s/l, Câmara Municipal de Vinhais, 1987 [1928] , 84-85
- (VINHAIS) BRAGANÇA

Fulano encontrou, no cemitério, em dia de enterro, uma caveira; pouco respeitador pelas coisas sagradas, pôs-se a escarnecer daquelas órbitas profundas e da bôca escancarada; dando-lhe um ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1749
A costureira

REIS, Elisabete Andrade, Uma viagem pela literatura oral de Maria do Carmo Martins, Faro, Universidade do Algarve, 2005 , Texto nº 24
Alte (LOULÉ) FARO

Diz-se que era a costureira que andava correndo os sete lares.
 Diz-se que foi uma rapariga que teve uma doença e prometeu, se se curasse, dar a máquina ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 155
A costureira

GRAÇA, Natália Maria Lopes Nunes da, Formas do Sagrado e do Profano na Tradição Popular, Lisboa, Colibri, 2000 , 201
Margem (GAVIÃO) PORTALEGRE

Havia uma rapariga qu’era costurêra e um dia prometeu coser qualquer coisa a alguém. Entretanto, a rapariga morreu e nã conseguiu cumprir a promessa que tinha f ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2426
A Costureira

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (TAVIRA) FARO

Uma adoeceu e fez uma promessa à Senhora de Fátima, que se a curasse, a costureira ira fazer-lhe um manto.
A mulher recuperou mas não fez o manto. Passados ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1984
“A costureirinha…”

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Santa Bárbara De Nexe (FARO) FARO

O que eu ouvia sempre dizer era que uma rapariga que era costureira e que teve uma grande doença e que prometeu oferecer a máquina à Nossa Senhora. Mas ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 1935
[A costureirinha]

AZEVEDO, Ana, A Literatura Oral na Comunidade Emigrante Portuguesa em Montreal, Faro, Universidade do Algarve, 2002 , # 167
- (BEJA) BEJA

Era uma senhora que era costureira e tinha uma grande doença. E prometeu que se curasse dava a máquina de costura a um santo qualquer.
E depois curou-se ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]

APL 2321
A costureirinha

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
- (FARO) FARO

Informante: Ouvi dizer que antigamente havia uma rapariga que prometeu à Nossa Senhora: que o primeiro dinheiro que ela ganhasse comprava um manto à nossa Senhora e ela não.
Ela o ...

[Convinced Belief] [Transcrição Oral]

APL 842
A costureirinha

VILHENA, M. Assunção, Gentes da Beira Baixa, Lisboa, Colibri, 1995 , 105
- (PROENÇA-A-NOVA) CASTELO BRANCO

Havia uma costureira que trabalhava muito todos os dias e até domingos e dias santos de guarda.
 Depois de ela morrer, continuaram a ouvir, de noite, a máquina a ...

[Unsure / Uncommitted] [Transcrição Oral]


Results 1 thru 25
Page 1 of 15       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 >