Witches

Results 1 thru 25
Page 1 of 7       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 >

APL 989
A avó bruxa

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , B1
Cumieira (SANTA MARTA DE PENAGUIÃO) VILA REAL

Um casal, sempre que lhe nascia um filho, na véspera do baptizado, depois de estar a despesa da cerimónia toda feita, via a criança morrer sem saber ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1158
A benzelhoa

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 15-16
Castelo Branco (CASTELO BRANCO) CASTELO BRANCO

Contou-me a minha mãe que quando era solteira, estava no campo, e depois vinha a casa e num sábado à noite foi lá o meu pai fazer o ser ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2418
A Boleia a Cavalo

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Ruivos (PONTE DA BARCA) VIANA DO CASTELO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1915
A Bruxa

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Ferro (COVILHÃ) CASTELO BRANCO

Uma vez, uma bruxa andava por lá a passear; mas passou-se-lhe a hora de recolher a casa e foi para uma fonte onde ficou transformada numa galinha.
 Um grupo de ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 405
A Bruxa d’ Arruda

CUNHA, Jorge da, Criações do Génio Popular, Arruda dos Vinhos, Associação para a Recuperação do Património de Arruda, 1997 , 67
Arruda Dos Vinhos (ARRUDA DOS VINHOS) LISBOA

Conta o povo desta terra escondida entre os montes que durante muitas gerações por aqui viveram algumas bruxas. Curavam os doentes, davam alegria a quem vivia na tristeza, tiravam ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2452
A Bruxa de Beja

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Monchique (MONCHIQUE) FARO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2759
A bruxa e as vacas

PARAFITA, Alexandre, O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos, Lisbon, Plátano Editora, 2000 , 77
Candedo (VINHAIS) BRAGANÇA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 408
A Bruxa e o Burro

CUNHA, Jorge da, Criações do Génio Popular, Arruda dos Vinhos, Associação para a Recuperação do Património de Arruda, 1997 , 71
- (ARRUDA DOS VINHOS) LISBOA
Motifs: C420.,

Diz o povo que em tempos longínquos, numa noite de lua cheia em Á-dos-Arcos, vivia um homem que costumava ir ao ferro velho no seu burro.
 Certo dia, à meia-noite ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2378
[A Bruxa e o Menino Morto]

AA. VV., -, Arquivo do CEAO (Recolhas Inéditas), Faro, n/a,
Olhão (OLHÃO) FARO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1082
A bruxa e o namorado

HENRIQUES, Francisco , Contos Populares e Lendas dos Cortelhões e dos Plingacheiros, Vila Velha de Rodao, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2001 , 104
- (MAÇÃO) SANTARÉM

O senhor M. Fernandes do Pergulho namorava na povoação do Carvoeiro. Um dia, quando ia visitar a rapariga, no sítio do Lagar do Poçarro ele ouviu cantar ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 2758
A bruxa e os dois ladrões

PARAFITA, Alexandre, O Maravilhoso Popular - Lendas, contos, mitos, Lisbon, Plátano Editora, 2000 , 75
- (VINHAIS) BRAGANÇA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 463
A bruxa Inácia da Córte

TENGARRINHA, Margarida, Da Memória do Povo, Lisbon, Colibri, 1999 , 31-32
Mexilhoeira Grande (PORTIMÃO) FARO

Tenho uma também passada com o mê pai, Deus o tenha na Glória e à minha mãe, que o mê pai morreu fiquei eu pequenina.
 Morava ali num ...

[Convinced Belief] [Oral transcription]

APL 1083
A bruxa que quebrou a sina

HENRIQUES, Francisco , Contos Populares e Lendas dos Cortelhões e dos Plingacheiros, Vila Velha de Rodao, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2001 , 104-105
- (PROENÇA-A-NOVA) CASTELO BRANCO None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 764
A criada chupada por uma bruxa

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , 167
Sendim (TABUAÇO) VISEU

Com as bruxas, o povo aqui costuma ter muito cuidado. Acha-as perigosas. Numa ocasião, em casa de meus pais havia uma criada que, de manhã, aparecia sempre com umas ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 103
A dança das bruxas

FAEL, Isabel Maria M.A. Lopes, Narrativas Populares, Covilhã, Centro de Formação da Ass. de Escolas do Conc. da Covilhã, 2000 , 63
- (COVILHÃ) CASTELO BRANCO

Em Silvares havia dois lagares de azeite.
 Durante o dia fazia-se o azeite. A noite, vinham as bruxas e de manhã estava tudo remexido.
 As bruxas vinham das Relvas para ...

[Some Belief] [Oral transcription]

APL 755
A eira onde as bruxas se vão esfregar

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , 157
Sendim (TABUAÇO) VISEU

Sempre ouvi dizer aos mais antigos que na Eira do Monte, que pertence a Paradela mas fica entre dois caminhos, ali à saída de Sendim, é onde as bruxas se v ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 990
A filha bruxa

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , B2
Fornelos (SANTA MARTA DE PENAGUIÃO) VILA REAL

Um casal teve duas filhas e uma delas era bruxa. Um dia, a menina que não era bruxa aproximou-se do pai e disse-lhe:
 − Meu pai, a Maria esta noite ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 3112
A Fraga das Bruxas

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro (Narrações Orais), Vol. 2, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2010 , 215
Vilarinho Da Castanheira (CARRAZEDA DE ANSIÃES) BRAGANÇA None [Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 341
A lenda de um pescador

S/A, ., Lendas de Gondomar, Gondomar, Câmara Municipal de Gondomar, 1995 , 7-8
Lomba (GONDOMAR) PORTO

Era uma vez um pescador que, todos os dias à noite, guardava o seu barco amarrado a uns arbustos numa das margens do rio Douro.
 Mas, de manhã, quando chegava junto ...

[Unsure / Uncommitted] [Ludic written text]

APL 462
A levitação de josé perpétuo

TENGARRINHA, Margarida, Da Memória do Povo, Lisbon, Colibri, 1999 , 29-30
Mexilhoeira Grande (PORTIMÃO) FARO

Aquilo qu’eu vou contar passou-se na Senhora de Verde, lá na eira do mê pai.
 Tinhamos uma égua quase morta, uma vaca quase morta tamem e outra enjêtou ...

[Convinced Belief] [Oral transcription]

APL 1166
A maldição da bruxa

GRAÇA, Natália Maria Lopes Nunes da, Formas do Sagrado e do Profano na Tradição Popular, Lisbon, Colibri, 2000 , 19-20
Ladoeiro (IDANHA-A-NOVA) CASTELO BRANCO

Certo dia no Ladoeiro, uma mulher estava na rua a pentear a sua filha que tinha uns longos cabelos. Naquela hora, passou uma mulher que segundo as pessoas da aldeia ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 736
A menina e as feiticeiras

PARAFITA, Alexandre, Património Imaterial do Douro - Narrações Orais (contos, lendas, mitos) Vol. 1, Peso da Régua, Fundação Museu do Douro, 2007 , 140
Barcos (TABUAÇO) VISEU

Eu ainda conheci uma senhora que em menina era levada pelas feiticeiras. E a madrinha foi quem teve de lhe quebrar o fado.
 Era uma menina que foi baptizada, mas ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1156
A morte da bruxa

MOURA, José Carlos Duarte, Histórias e Superstições na Beira Baixa, Castelo Branco, RVJ editores, 2008 , 14
Castelo (SERTÃ) CASTELO BRANCO

Isto aconteceu faz uns tinta anos à minha avó e às minhas vizinhas. Uma noite a minha avó e as minhas vizinhas, estavam a velar uma pessoa que morreu, que morava ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 1090
A namorada do Vale d'Água

HENRIQUES, Francisco , Contos Populares e Lendas dos Cortelhões e dos Plingacheiros, Vila Velha de Rodao, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2001 , 111-112
- (PROENÇA-A-NOVA) CASTELO BRANCO

Informaram-me ter sido o meu pai o protagonista desta história.
 Era novo e namorava na altura uma moça no Vale d’Água. Às tantas da noite, e depois ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]

APL 991
A namorada que era bruxa

AA. VV., -, Literatura Portuguesa de Tradição Oral, s/l, Projecto Vercial - Univ. Trás -os-Montes e Alto Douro, 2003 , B3
Joane (VILA NOVA DE FAMALICÃO) BRAGA

Numa pequena aldeia, um rapaz namorava para uma rapariga e todos os seus amigos lhe diziam que ela era bruxa. Ele não acreditava mas, de tanto ouvir as pessoas ...

[Unsure / Uncommitted] [Oral transcription]


Results 1 thru 25
Page 1 of 7       1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 >